Virtualização: quatro casos de sucesso no Brasil

Gestores da General Eletric, Fundação Bradesco, Mackenzie e Mondial Assistance detalham a implementação da tecnologia, que já é usada por 42% das grandes e médias empresas brasileiras

Entre as tecnologias que devem ganhar espaço entre as corporações ao longo de 2010 está a virtualização. No Brasil, uma pesquisa da consultoria IDC não só confirma essa tendência como indica que 42% das grandes e médias empresas do País já adotaram soluções virtuais.

A seguir, acompanhe quatro casos de sucesso de empresas que já adotaram a virtualização. Os gestores de TI dessas companhias detalham os benefícios e os obstáculos na implementação da tecnologia.

General Eletric economiza US$ 1,4 milhão por ano com consolidação de servidores
Com atuação em mercados distintos, como motores de aviões; geração de energia; serviços financeiros; eletrodomésticos; equipamentos de diagnóstico por imagem e plástico de engenharia, a General Eletric (GE) começou a investir em virtualização 2007.

A companhia criou uma unidade global responsável por entregar e gerenciar a infraestrutura de TI nos mais de 100 países em que atua. Atualmente, 50% das unidades da empresa já estão integradas ao centro compartilhado de recursos, pelos cálculos do Chief Information Officer (CIO) da GE para a América Latina, João Lencioni. Na região latino-americana, integrada à unidade global de infraestrutura, 60% dos servidores estão virtualizados.

A primeira fase do projeto, que está 50% concluída, vai gerar a economia anual prevista anteriormente. A solução usada é o Vsphere, da VMWare, e a próxima etapa do plano terá como foco os sistemas de armazenamento, com o objetivo de virtualizar as soluções de storage para implementar uma nuvem privada que atenderá as demandas de infraestrutura.

Além da economia financeira, a virtualização reduziu o tempo necessário para instalar um novo servidor, que antes era de dias ou semanas e hoje é de duas horas ou três horas. “A meta é chegar a 15 minutos”, afirma o CIO. Segundo o executivo, o retorno sobre o investimento na virtualização de 100 servidores, por exemplo, se dá em um ano. Parte desse benefício se deve ao menor consumo de energia, com uma redução de cerca de 18 mil KW/h por ano, o suficiente para abastecer 36 mil residências.