Por que a TI verde não é suficiente para cortar custos com energia?

Os devem prestar atenção a todos os processos que envolvem o consumo energético dentro das organizações se quiserem resultados efetivos

Gordon Katz, diretor de TI, estima que quando os monitores do escritório de advocacia Porter, Wright, Morris & Arthur estão em modo ‘stand by’, ele poupa para a sua empresa eletricidade suficiente para iluminar por um ano o estádio do time de futebol norte-americano Cleveland Browns. No entanto, ele não sabe quantificar essa economia em dinheiro.

“Nós não temos como mensurar isso”, diz Katz. Com 230 advogados espalhados em seis cidades dos EUA, a firma divide seu espaço em vários edifícios, os quais pagam um percentual da conta de eletricidade de acordo com o consumo individual. Mas a empresa tem uma política de sustentabilidade, com base no que foi sugerido pela American Bar Association. “Isso cria uma padrão”, acrescenta Robert Meyer, um advogado que está a frente da empre Green Practice Group. “Isso nos permite enxergar as coisas ponto a ponto e ver até onde podemos progredir”.

Se existe uma forma de medir o quanto de combustível e de eletricidade é gasto na organização, os benefícios da redução do consumo de energia para o meio ambiente e para linhas de produção são relativamente simples. E é tentador para os CIOs focarem esse tipo de conduta para a TI, uma vez que o setor é responsável por uma grande fatia da “conta de luz”. Mas não se pode parar por aí. São necessários sistemas de apoio à decisão sustentável em todos os tipos de operações, desde o local no qual está instalado o armazem à temperatura dos escritórios.

Expansão além do TI

Tony Scott, CIO da Microsoft, diz que se interessou em quanta energia uma empresa consome quando ainda era CTO da General Motors, em 2002. “Nós éramos uma divisão da organização e era difícil negociar com os fornecedores para conseguir baixar os custos por unidade”, lembra. Ele calculou que muitos dos computadores que a GM comprou consumiam mais energia do que seu valor de compra. No entanto, naquela época, os custos de eletricidade não eram levados em consideração na hora de decidir sobre que tipo de PC adquirir. Ainda assim, Scott começou a focar-se  na tecnologia verde.

“Eu conversei com algumas pessoas que estavam desenvolvendo a tecnologia da bateria”, diz ele. A conversa foi se expandido para a gestão energética nos edifícios. “Foi a tecnologia focada em PCs que estava nos ajudando a ter um melhor controle sobre todos os outros setores.” Mais tarde, quando ele se tornou CIO da Walt Disney, uma das primeiras coisas que questionou foi quanto a empresa gastava de energia em data centers. “e ninguém sabia me dizer”, relata.

Depois que entrou na Microsoft, em 2008, a equipe de Scott uniu-se a Rob Bernard, estrategista-chefe da divisão ambiental da companhia, para consolidar e virtualizar servidores usados por engenheiros no desenvolvimento de produtos.  A empresa diz que a eficiência energética atual (com seu sistema de refrigeração de última geração) deixará de emitir 12 mil toneladas de carbono por ano.  Isso é o equivalente a retirar 8.400 carros da estrada por 12 meses.

Além dos data centers, Scott conclui que a TI é realmente a chave para que a gestão de energia vá para a frente. “Quanto mais aplicarmos a tecnologia para todas as coisas inúteis que temos, melhor será o resultado”, detalha.

Antes de investir em TI, no entanto, os líderes devem mudar seu foco, diz Richard Watson, diretor do Center for Information Systems, localizado na Universidade da Geórgia. A maioria dos CIOs precisa prestar tanta atenção tanto ao hardware quanto à gestão de transporte e às operações de fabricação e uso da água.

“Temos de abraçar a ideia de que a informação pode reduzir o consumo de energia”, disse Watson, acrescentando que o próximo passo será a criação de sistemas que façam relatórios sobre o uso  de energia, para que as empresas possam tomar as melhores decisões. “Nós ainda estamos aprendendo como as coisas funcionam”.

Fonte: Por que a TI verde não é suficiente para cortar custos com energia?