O Panorama Viral na América Latina durante a primeira metade de 2013

A América Latina é uma das regiões com maior crescimento tecnológico e, portanto, é uma das mais desejadas pelos criminosos cibernéticos. Além disso, a economia da região tem se mostrado uma das mais estáveis globalmente o que se torna um segundo fator pelo qual os ciber criminosos voltaram sua atenção para os países da região.

Estatísticas da Kaspersky Lab confirmam a diversidade de métodos utilizados por ciber criminosos e os erros básicos cometidos por usuários ao proteger seus sistemas operacionais. Vamos analisá-los cuidadosamente.

É interessante notar nas estatísticas que as ameaças que mais afetam os usuários da América do Sul são distribuídas de uma maneira bastante equitativa. Ou seja, os criminosos usam vários métodos ilegais com o objetivo de roubar o dinheiro de suas vítimas.

A ameaça que é mais utilizada é a Worm.Win32.Debris.a que já atacou a maioria dos computadores na região, apesar de ter sido descoberta recentemente (25 de abril, 2013). Este worm tem como método de propagação dispositivos USB e sites da web. Se observarmos o mapa global das infecções dos usuários pode-se notar que há uma grande quantidade de vítimas que vivem na região.

 

A maioria das vítimas do Worm.Win32.Debris.a na América Latina estão no México, seguido por Peru, Equador, Colômbia e Bolívia.

No top 10 podemos ver que existem vários programas indesejados chamados AdWare.Win32. Esses programas são classificados como “potencialmente perigosos” porque não roubam dinheiro de vítimas diretamente, mas lucram através da publicidade não desejada durante a navegação. Eles alteram os navegadores e instalam acessórios que exibem publicidade, assim a cada clique ou visita ao site de publicidade por parte da vítima, o criminoso ganha dinheiro. Esses programas chamados de Adware se propagam apenas através de páginas da Web.

Também é impressionante notar que a ameaça Net-Worm.Win32.Kido.ih, detectadas pela primeira vez em 2009, segue sendo uma das principais na região. Já que este worm se espalha através de drives USB e vulnerabilidades do Windows em redes Microsoft, podemos concluir que há problemas graves nas correções de vulnerabilidades, instalação de atualizações e na gestão responsável dos dispositivos USB por parte dos usuários. Tudo isso colabora para que uma ameaça tão antiga continue sendo uma das principais na região.

Finalmente, pode-se observar a presença da família de trojans Trojan.WinLNK.Runner, que se propagam unicamente através de dispositivos USB. Novamente, esta é uma prova de que existem graves problemas no manuseio seguro dos dispositivos USB e na configuração de sistemas operacionais onde a opção auto executar está desativada por parte dos usuários.

Fonte:O Panorama Viral na América Latina durante a primeira metade de 2013