Loja de aplicativos da Blackberry desembarca até setembro no Brasil e na AL

A Research In Motion (RIM), fabricante do Blackberry, admitiu que está ultimando os detalhes para inaugurar sua loja de aplicativos na América Latina, com atuação no mercado brasileiro. Objetivo é atrair o assinante e acirrar a concorrência com os rivais – Nokia e Apple. No Brasil, a empresa já conta com mais usuários finais do que empresariais na sua base, ainda assim, a fabricação local permanece ‘em estudo’.

“Sabemos que há um grande potencial de crescimento no Brasil e na América Latina para os nossos produtos. Mas, hoje, a nossa estratégia ainda é a de importar os aparelhos, apesar de sentirmos o impacto da carga tributária ( Nokia, Samsung e LG fabricam no país, mas HTC e Palm decidiram também pela importação)”, diz Adriano Lino, gerente de Inteligência de Mercado da RIM Brasil.

Atualmente a RIM possui seis fábricas no mundo – uma no Canadá, sede da empresa, duas na Hungria, duas no México e uma na República Techa. Também possui dois centros de desenvolvimento – na China e na Irlanda. A RIM realiza nesta quarta-feira, 05/08, o BlackBerry Connect With The Experts, evento dirigido ao mercado corporativo para promover a versão 5.0 do servidor BlackBerry Enterprise, na capital paulista.

Apesar do forte foco empresarial, a RIM admite que no Brasil, 80% da base de clientes é formada por usuários finais. No mundo, essa média é equivalente – 50% consumidor, 50% empresarial. “O Brasil e a América Latina tem um perfil bastante distinto e diferenciado de consumo e o Blackberry está se adaptando e trazendo uma geração de aplicativos que atrai tanto o usuário final como o empresarial”, destaca Lino.

“Tanto é assim que estamos trabalhando, no mercado final, com a loja de aplicativos e para as empresas com o desenvolvimento de soluções verticais, principalmente, na área de governo, segurança, educação e saúde”, complementa o executivo da RIM Brasil.

Uma das ações da RIM, lembra Adriano Lino, foi o de levar o blackberry customizado para o policiamento das ruas de Salvador, durante o Carnaval. Nos Estados Unidos, um dos cinco maiores clientes da empresa é o FBI, com 42 mil aparelhos customizados.

Expectativa da RIM/Blackberry é lançar a loja de aplicativos até setembro, com aplicações em português e espanhol. Na semana passada, a empresa lançou a loja na Europa e com aplicativos em inglês, italiano, francês e espanhol. Com um detalhe: Há soluções desenvolvidas por empresas brasileiras. “Este é um grande mercado para os nossos desenvolvedores e o nosso diferencial nesse mercado de smartphones”, diz o gerente de Inteligência de Mercado da RIM do Brasil.

Indagado se a mudança de postura das teles móveis – cada vez mais interessadas em subsidiar menos o aparelho – poderia causar algum impacto na atuação da RIM no Brasil, Lino foi taxativo: “Não temos essa convicção. O Blackberry tem mais de 80% das suas vendas atreladas a um pacote de dados, onde está o grande ganho das operadoras. Na verdade, nossa força de venda está concentrada em vender nossos serviços e eles trazem receita para as operadoras. Somos parceiros e rentáveis”, completa.

Atualmente os smartphones, segundo a RIM, possuem pouco mais de 5% do mercado latino-americano, mas com um grande potencial de crescimento – expectativa é que, em 2014, eles representem 30% da base da região.

fonte: Convergência Digital