Greve de TI em São Paulo começou!!!

A greve dos profissionais de TI do Estado de São Paulo, iniciada oficialmente nesta segunda-feira, envolve manifestações na capital e interior paulista.

De acordo com o Sindpd (Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo), o movimento de hoje afeta as seguintes empresas: HP/EDS, Sonda Prockwork, Stefanini, Tivit, Fidelity, Dedic/GPI, CPM, Indra, Prodam e Prodesp (respeitando a cota de 80%), além de companhias no interior.

No Twitter, o sindicato menciona as manifestações na HP/EDS, Tivit, CPM Braxis, Stefanini e PrintLaser.

“Neste momento, manifestações de greve em Alphaville, HP/EDS (Imigrantes), Tivit (Santo Amaro) e no interior do estado. Funcionários da HP/EDS cruzaram os braços. Em protesto, trabalhadores vão para casa. CPM Braxis parou”.

Segundo relato do sindicato, nem todas as empresas receberam bem a movimentação dos grevistas. “Gerente da Tivit pressiona trabalhadores e duas viaturas da Polícia Militar chegam à entrada da empresa”, afirmou o Sindpd.

“A Fidelity em Itú parou 100%. Manifestações de greve na Fidelity e na Tivit continuam. Manifestações agora na Stefanini e PrintLaser”, tuitou o Sindpd nesta manhã.

Procuradas pela reportagem do INFO Online para dar seus posicionamentos sobre a greve e tratar de eventuais medidas para lidar com a situação, até o momento as empresas não responderam aos nossos pedidos de entrevista.

*Atualização: no início da tarde, a Tivit emitiu nota oficial sobre o assunto. Confira abaixo:

A TIVIT, empresa de serviços integrados de TI e BPO, informa que participou e acompanhou as últimas reuniões de negociação da Convenção Coletiva entre o sindicato laboral (SINDPD) e o sindicato patronal (SEPROSP).

Desde o início das negociações, a TIVIT, por meio da representação do SEPROSP, tem se empenhado para rever as negociações de renovação da Convenção Coletiva de Trabalho.

Neste momento, a empresa aguarda a decisão do Poder Judiciário quanto ao reajuste salarial que será aplicado pela categoria.

Enquanto isso, todos os colaboradores trabalham normalmente nas unidades da empresa. A movimentação do sindicato laboral não tem afetado a qualidade e a alta disponibilidade dos serviços prestados pela TIVIT.

Sem acordo

Em audiência realizada na sexta, dia 25, o Seprosp (Sindicato das Empresas de Processamento de Dados e Serviços de Informática do Estado de São Paulo) não aceitou a proposta do Ministério Público do Trabalho (MPT) de aumento salarial de 8,6% para a categoria paulista.

 

O sindicato patronal sugeriu um índice de reajuste menor, de 7,5%, rejeitado pelo Sindpd, entidade ligada aos trabalhadores.

O Seprosp também não aceitou a proposta do órgão paulista da concessão obrigatória por parte das empresas do benefício de Participação em Lucros e Resultados (PLR), além de propôr um valor inferior de vale-refeição, oito reais, restrito a empresas com mais de 200 empregados. O MPT havia proposto R$ 12 para jornada de trabalho de oito horas, com acréscimo de R$ 6 nos casos de carga horária superior.

O sindicato dos patrões também negou-se a criar os pisos para programadores e analistas, propostos pelo MPT, nos valores de R$ 1,2 mil e R$ 1,8 mil, respectivamente.

Diante da negativa do sindicato patronal em relação à proposta conciliatória do MPT, o Sindpd não só declarou que a categoria paulista entra em greve como também não abrirá mão do atendimento às condições por ele propostas, inicialmente, antes das audiências: aumento salarial real de 11,9%, vale-refeição diário de 15 reais, participação nos lucros, além de ampliação dos pisos da categoria e licença maternidade obrigatória de seis meses.

fonte: Greve de TI em São Paulo começou!!!