Engenharia e Ciências da Computação são áreas mais procuradas no CNPq

Engenharia e Ciências da Computação são áreas mais procuradas no CNPq

O censo bianual do Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, realizado ao longo de 2008, reflete o cenário atualizado da ciência brasileira a partir das informações dos grupos de pesquisa cadastrados. A distribuição geográfica, as linhas de pesquisa desenvolvidas, as produções científicas, tecnológicas e artísticas dos pesquisadores e estudantes são alguns dados que integram o mapeamento realizado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT).

Foram registradas 86.075 linhas de pesquisa, quase 10 mil a mais que no censo anterior. As três ciências com maior cadastramento foram as Engenharias e Ciências da Computação, com 15,3%, Ciências Humanas (14,7%) e Ciências Biológicas (14%). As áreas de Medicina, Educação e Agronomia continuam sendo as três maiores em número de linhas de pesquisa.

Outro dado identificado pelo levantamento diz respeito à descentralização regional dos cadastros para as linhas de pesquisa: o censo 2008 revela que todas as regiões cresceram numericamente, desde a primeira análise, realizada em 1993. Em termos participativos, as regiões Norte e Nordeste foram as que registraram maior aumento percentual nos últimos 15 anos: 176% e 71%, respectivamente. Os dados mostram ainda que uma constante descentralização regional da pesquisa está ocorrendo. As regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste foram as que mais cresceram em 2008. Sua participação conjunta, em relação a 2006, passou de 26% para 28%.

Homens x Mulheres

Dos pesquisadores cadastrados em 2008, 49% são mulheres e 51% homens. Quando a liderança dos grupos é analisada, a participação feminina cai para 45%. Apesar disso, os números indicam uma evolução da presença feminina na realização de pesquisas. Se o critério comparativo for apenas por não líderes, o percentual de mulheres supera o de homens, respectivamente 51% contra 49%. Em 1993, a cada 100 pesquisadores, apenas 39 eram mulheres.

Em 1993 a região Sudeste detinha 68,5% dos grupos de pesquisa registrados. Em 2008 esse percentual diminuiu para 48,8%. Contudo, o número total de grupos quase quadruplicou, passando de 3.015 para 11.120.

O censo

Participaram do último censo 422 instituições, registrando 22.797 grupos de pesquisa compostos por mais de 104 mil pesquisadores, sendo 66.785 doutores. No comparativo com o censo de 2002 – ano em que o formulário tornou-se on-line, facilitando a comunicação e a coleta dos dados – o crescimento do número de grupos cadastrados foi de 50%. O número de pesquisadores cresceu 83% e o de doutores 94% no mesmo período.

fonte: Engenharia e Ciências da Computação são áreas mais procuradas no CNPq.