Categoria: Correio Eletrônico

Exchange 2010 Mailbox Calculator

Esta ferramenta nos ajuda e muito a fazermos um size do servidor Mailbox do Exchange 2010. Nela será feito uma série de perguntas e baseado nas resposta será mostrado o hardware e storage recomendado para seu ambiente.

Nesta nova versão os parâmetros já estão definidos para o Exchange 2010, isso quer dizer que a configuração de hardware e storage já estão de acordo com as melhores práticas do Exchange 2010.

http://msexchangeteam.com/archive/2009/11/09/453117.aspx

Exchange 2010 Mailbox Calculator

Benefícios para os seus clientes com Microsoft Exchange 2010

Visão Geral

Numa época em que sua organização exige que suas ferramentas de comunicação sejam eficazes em termos de custo e flexíveis, o Microsoft Exchange Server 2010 permite a você alcançar novos níveis de confiabilidade e desempenho oferecendo recursos que simplificam sua administração, ajudam a proteger suas comunicações e encantam seus usuários atendendo suas exigências de maior mobilidade nos negócios. O Microsoft Exchange, a pedra angular da solução de comunicações unificadas da Microsoft, há muito tempo é a escolha de organizações para permitir colaboração avançada e produtiva entre seus usuários. A última versão do Exchange pode ajudar você a obter melhores resultados de negócios ao mesmo tempo em que controla os custos de implantação, administração e conformidade O Exchange oferece a maior gama de opções de implantação, proteção contra vazamento de informações e recursos avançados de conformidade que combinam para formar a melhor solução de mensagens e colaboração disponível. Continue lendo

Nove regras para garantir o uso correto do e-mail corporativo

De acordo com a advogada Patricia Peck, as empresas precisam estar blindadas juridicamente contra o mau uso que os funcionários podem fazer dos recursos de TI

Ao mesmo tempo em que o uso intensivo da tecnologia trouxe uma série de facilidades para as empresas, ela impôs um desafio importante para os CIOs: gerenciar a utilização que os funcionários fazem dos recursos tecnológicos. E, o pior, segundo Patricia Peck Pinheiro*, advogada especialista em direito digital, boa parte das empresas tem corrido sérios riscos, por não conseguir dar a atenção necessária ao assunto.

“As empresas precisam orientar os funcionários e terceiros em relação ao uso das ferramentas tecnológicas, bem como à postura que eles precisam ter nos ambientes eletrônicos”, cita Patricia, que acrescenta: “Temos visto muitos casos de assédio sexual ou moral por conta de mensagens de e-mail, as quais nada mais são do que o papel timbrado da empresa, em meio digital.”

Com o intuito de ajudar os líderes de TI a conscientizar todos os funcionários da empresa sobre a postura correta do uso de novos meios de comunicação eletrônica, a advogada criou uma cartilha de cuidados no uso do e-mail, internet e celular corporativo. Seguem os tópicos abordados pela especialista:

1. Evite termos coloquiais – use o tratamento formal. Isso evita situação de subjetividade e eventuais confusões geradas devido ao tratamento mais íntimo em situação de trabalho/profissional.
Dica: O tratamento mínimo deve ser senhor (sr.) ou senhora (sra.), e não “você”, independente do cargo. Se possível deve ser feito uso da primeira pessoa do plural (ex: “nós gostaríamos de saber”, “vamos agendar”), visto que a comunicação é em nome da empresa.

2. Evite o uso de expressões como “beijos” ao final da mensagem – o correto é enviar saudações ou abraços.

3. Trate de assuntos gerais de modo discreto e bem-educado – pode-se perguntar como foi o final de semana, desejar um bom dia, felicidades, parabéns, manifestar condolências ou pesar, mas assuntos muito íntimos – que possam gerar algum tipo de constrangimento (ex: questões médicas ou familiares) – devem ser evitados.

4. Evite o uso de elogios que possam gerar algum tipo de duplo sentido – pode-se congratular a pessoa por motivo de êxito em tarefas, mas evite elogios que possam estar relacionados à apresentação física ou a partes do corpo, como “linda(o)”, “bonita(o)”, “estonteante”, “maravilhosa(o)” e outros similares.

5. Evite convidar para situações ‘a dois’ pessoas que sejam subordinados hierárquicos – o convite para jantar, para um “encontro”, para uma situação de happy hour (que não seja para toda equipe) pode gerar constrangimento e dar a entender eventual assédio moral.

6. Evite falar mal da empresa e/ou de pessoas do trabalho, principalmente com uso de expressões pejorativas, associação com animais, gozação, piada com uso de características físicas ou emocionais. Deve-se lembrar que o ambiente corporativo é monitorado, por isso, intrigas, o uso de palavras para denegrir a imagem de um colega ou chefe podem gerar problemas. E como está por escrito, fica difícil alegar que “não era bem isso o que queria dizer”.

7.
Evite fazer uso do e-mail e internet corporativa para buscar emprego em outro lugar – Não se deve enviar currículo pelo e-mail do seu empregador atual. Até para quem recebe do outro lado fica uma situação ruim, pois passa a imagem de que a pessoa não respeita seu local de trabalho.

8. Evite usar ferramentas da empresa como smartphone ou pendrive para armazenar conteúdo particular, fotos mais íntimas – o equipamento corporativo deve ser utilizado para assuntos de trabalho.
Dica: O uso da câmera do celular corporativo para tirar fotos que não tenham relação com trabalho tem gerado muitos problemas nas empresas, especialmente quando a imagem é mais íntima e ainda envolve terceiros.

9. Evite usar o notebook de trabalho para salvar conteúdos particulares, ou mesmo navegar na internet em sites não relacionados a trabalho – com a nova lei da Pedofilia, as empresas estão mais atentas e zelosas no tocante ao conteúdo que está em seus computadores e servidores.
Dica: É comum filhos ou familiares quererem fazer uso do notebook da empresa quando o profissional o leva para casa. Esse tipo de situação pode gerar vários riscos, inclusive de segurança da informação, bem como de exposição de vida íntima. Dependendo do caso, pode gerar demissão por justa causa.

fonte: Nove regras para garantir o uso correto do e-mail corporativo

Indústria farmacêutica trabalha para reduzir volume de e-mails

Com a queda de 25% no tráfego de mensagens, o CIO da Cubist calcula que cada funcionário pode ganhar de 15 a 20 dias de trabalho por ano, graças ao aumento da produtividade

O CIO da Cubist Pharmaceuticals – indústria norte-americana que atua com pesquisa, desenvolvimento e comercialização de medicamentos –, Tony Murabito, realiza todo ano uma pesquisa com os funcionários da companhia, com o intuito de identificar a experiência e as expectativas deles em relação aos sistemas de TI. As respostas, de forma geral, ficam focadas em problemas técnicos. Contudo, no último ano, Murabito surpreendeu-se com o número de comentários a respeito do e-mail. Continue lendo

Cinco passos para manter a disponibilidade do e-mail corporativo

Considerado uma ferramenta fundamental para o trabalho das organizações, os sistemas de correio eletrônico devem ser olhados com atenção pelos profissionais de TI para não afetar a produtividade dos funcionários

Comunicação com o mercado, o público interno, entre fornecedores e parceiros, compartilhamento de agendas e compromissos. Há certo tempo, o e-mail corporativo deixou de ser utilizado apenas como correio eletrônico e passou a ser uma das ferramentas mais importantes no dia-a-dia das empresas.<–!more–>

Nesse sentido, é comum ouvirmos funcionários dizendo que “não tem como trabalhar” quando ocorre uma falha e suas ferramentas de mensagens e outras funcionalidades ficam fora do ar. Dessa forma, é óbvio dizer que a alta disponibilidade do e-mail corporativo representa, hoje, um dos pilares tecnológicos que sustentam o desempenho empresarial.

De olho nesse contexto, seguem cinco dicas para ajudar a equipe de TI a manter rede de comunicação eletrônica da empresa sempre disponível e, com isso, não afetar a produtividade dos funcionários:

1. Proteja seu servidor contra falhas

Os componentes que formam um servidor de e-mail incluem adaptadores e transformadores de energia, CPUs, dispositivos de memória e plataformas lógicas. Assim, utilizar produtos bem recomendados e de marcas reconhecidas no mercado juntamente com a manutenção e o monitoramento preventivos das ferramentas pode evitar sérios danos de hardware em seus sistemas.

Entretanto, caso uma pane ocorra, é indispensável que a companhia tenha uma estrutura de redundância de dados e componentes de hardware, assegurando a possibilidade de operação da organização.

2. Entenda e adeque corretamente sua estrutura de storage

Todo gestor deve entender que há diferenças entre o armazenamento de dados locais e de informações compartilhadas. Há necessidade de mapear a base de dados da empresa para, então, dividir como cada segmento de informação será tratado. Sem essa lição de casa, não será possível criar e manter um ambiente seguro de storage.

3. Previna-se contra falhas de redes

Além de conexões duplicadas com servidores, sistemas de e-mail corporativo devem apostar na redundância de switches e roteadores. Só assim, a infraestrtutura passará a ser tolerante a alguns erros e não cairá a cada oscilação energética ou reinicialização do sistema, por exemplo.

4. Aposte na duplicação de dados para prevenção e recuperação de desastres

Em se tratando de danos à operação da companhia, duas são as medidas possíveis para diminuir seus impactos. A primeira diz respeito à redundância de dados. Assim, quando um site ficar fora do ar, em poucos minutos as informações lá contidas serão recuperadas.

A outra é em relação à duplicação de servidores e à capacidade de acessá-los remota e automaticamente após uma pane no sistema vigente. Assim, no mesmo instante em que um incidente derrubar um site, outro servidor será iniciado para que a operação não sofra consequências.

5. Considere a virtualização como possibilidade real

A virtualização de servidores torna mais fáceis a avaliação, gestão e testes de infraestrutura e sistemas, além de ser mais econômica no sentido de não exigir hardware.

fonte: CIO