As cinco falhas que as empresas cometem na gestão de dados

Um relatório realizado pela Forbes Insight aponta quais os grandes equívocos das áreas de TI e de negócios em relação ao tema

Hoje, a maioria das organizações lida com o aumento e a pulverização dos dados. Na prática, isso gera uma necessidade sem precedentes de coletar e tratá-los de forma adequada para que se transformem em informações relevantes para as áreas de negócio.

De acordo com o Gartner, ao longo dos próximos cinco anos, deve haver um aumento de 650% no volume de Terabytes gerados pelos sistemas corporativos. Ao mesmo tempo, os usuários demandarão cada vez mais um acesso individualizado a informações analíticas. Mas como as organizações têm lidado com essas perspectivas?

Não muito bem, de acordo com o resultado de um recente levantamento realizado pela consultoria Forbes Insight – com o patrocínio da SAP – com 200 executivos das áreas de TI e negócios que atuam em grandes corporações. Acompanhe algumas das principais constatações do levantamento:

1.    Importância dos dados

O estudo confirmou a percepção de que os dados são extremamente relevantes para as empresas. 85% dos entrevistados concordam que suas organizações tratam as informações como uma questão estratégica. Além disso, quase todos (95%) analisam que a gestão das informações é fundamental para o sucesso do negócio.

2.    Consciência dos problemas

82% dos executivos consultados concordam que as informações ruins geram um custos desnecessários para o negócio. Mas quanto esse prejuízo representa?  A maioria dos respondentes estima que equívocos relacionados a dados custam mais de 5 milhões de dólares ao ano para sua companhia. Para 1/5 deles essas cifras anuais chegam a 20 milhões de dólares.

3.    Conflitos com as áreas de negócio

Grande parte dos executivos reconhece a importância de gerenciar bem os dados e as informações, bem como entende as consequências negativas de não fazer isso de forma adequada. Contudo, os problemas continuam a existir por problemas de comunicação, principalmente na hora de definir os requisitos para dar mais inteligência aos dados.

Como reflexo, entrevistados que eram da área de TI deram uma nota maior à qualidade dos dados corporativos do que os demais entrevistados que atuam nas áreas de negócio.

4.    Quem é o dono dos dados?

Os resultados da pesquisa mostram que a responsabilidade dividida pelos dados é a maior barreira para implementar um modelo bem-sucedido de gestão das informações corporativas. 79% dos gestores de TI consultados afirmaram que a qualidade dos dados está sob responsabilidade deles. Ao mesmo tempo, 74% dos profissionais das outras áreas (provenientes de marketing, finanças e vendas) disseram que faz parte do seu trabalho garantir a qualidade dos dados.

“Essas diferentes perspectivas colocam a TI e os executivos de negócio em conflito, particularmente em relação à qualidade dos dados”, aponta o relatório.

5.    A falha de conhecimento persiste

Outra constatação do estudo é que em conseqüência da falta de comunicação e das diferentes expectativas, alguns executivos acabam não utilizando de forma adequada os sistemas oferecidos hoje por suas empresas para gestão de dados.

De acordo com o relatório, 51% dos gestores de TI disseram que estão diretamente engajados em projetos para assegurar a qualidade da gestão dos dados. Essa porcentagem cai para 25% entre os demais executivos.

Como conclusão, o relatório destaca que se os profissionais das áreas de negócio não estiverem diretamente envolvidos com os projetos para garantir a qualidade da gestão dos dados, as iniciativas dificilmente terão sucesso.

Fonte: As cinco falhas que as empresas cometem na gestão de dados